You are currently browsing the tag archive for the ‘Beco da Galinha Morte’ tag.

Desde que comecei a escrever para este blogue, trazia comigo uma disposição ímpar para colocar algumas ideias sobre acontecimentos do dia a dia da nossa cidade, falando de personagens comuns, pessoas do povo.

Nesse caleidoscópio retrofílico, procurei enfatizar o encanto das falésias, toda a grandiosidade e harmonia dos nossos manguezais, com sua fauna diversificada, além da beleza de Barra e Pernambuquinho, localidades emblemáticas de nossa meninice. Não esqueci o Pontal, testemunha de um diuturno e amigável encontro de rio-mar bem junto à sua costela mindinho.

Também enfatizei as brincadeiras da meninada de então, com seus jogos, seus piões e suas cantigas de roda, hoje sumidos.

Falei de ruas simples, do Beco da Galinha Morta, das poucas praças e de nossa igreja, sempre disposta às lutas. Não esqueci os barcaceiros, os calafates e, de modo especial, os salineiros. Os bodegueiros e os músicos receberam de mim uma atenção especial, por ter sido meu pai um deles.

Muitas pessoas foram abordadas em minhas crônicas, com informações seguras fornecidas por pessoas que gostam da cidade e respeitam o seu passado, em que a verdade se destaca como ponto essencial. Sempre procurei evitar a citação de políticos, pelos motivos óbvios.

E fluíram crônicas sobre o Cine Coronel Fausto, galanteios quase em excesso à Rua do Meio e palavras de amor pela Rua da Frente. O Cine Miramar, o Cine São Raimundo, o Maracangalha, a Maternidade, o Palacete Municipal com sua sonora, a pracinha e toda uma fauna de estudantes que ali alimentavam discussões com alunos da Escola Técnica de Comércio foram inúmeras vezes incluídos em meus textos. Aqui, a lembrança de José Jaime e Toinho Tavernard.

Não posso deixar de citar o rio Ivipanim, com sua história ponteada por barcos e barcaças que o tempo levou. As canoas sempre participaram de minhas crônicas, fosse na ida ou na volta de Barra e Pernambuquinho. Muitas vezes falei dos caminhos que levam à Praia do Meio, e dali a Upanema, passando pela prainha de Zé Filgueira. Os siris, os tatuís e as taiobas enriqueceram nossas vivências, assim como a lembrança de Pedrinhas e Casqueira.

Quase nada foi esquecido nos meus textos. Os bichinhos do chão, do ar, do rio e do mar ocuparam lugar de destaque, como o fez Gaudi ao construir a Igreja da Sagrada Família, em Barcelona. Nas laterais de suas paredes foram colocadas pequenas esculturas de bichinhos que dali foram expulsos quando a igreja foi construída. Uma homenagem aos sem-nome. Lá como aqui, calangos, lagartixas e outros répteis de pequeno porte aparecem com um destaque que emociona. Quase esquecia os zigue-zigues e os sapinhos.

Os cataventos – ah, os cataventos! – passaram por meus textos como moinhos de vento, sem o serem de fato, posto que nada moem.

Porém tudo nasce e com o tempo perde força. O momento de parar é este. Nem que seja por alguns meses. Guardarei algumas crônicas já prontas para que, em um futuro próximo, possa eventualmente publicá-las, retomando a marca da minha areiabranquicidade.

Escrever não é fácil, pois ao fazê-lo colocamos nossas ideias em cheque, ao tempo em que nos expomos às críticas algumas vezes justas. Imagino haver escrito em torno de 350 crônicas, ou um pouco mais (Carlos Alberto poderá dizer o número exato), e certamente o fiz com esmero, sem fugir à verdade dos fatos.

 

Até a próxima.

PS – Obrigado, Jerônimo, por sua inteligência.

EvaldOOliveira

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN

Aguardo-o(a) no endereço www.evaldoab.wordpress.com (AreiabranquiCidade)

 

 

 

 

Anúncios
outubro 2017
S T Q Q S S D
« set    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Para receber as novidades do blog