You are currently browsing the tag archive for the ‘cônego ismar’ tag.

Recentemente escrevi uma crônica sobre a bicicleta de Toinho Calazans. Num dos seus comentários, Evaldo lembrou que Horácio de Chico Lino havia se submetido ao desafio de circular em volta da praça da Igreja até não poder mais. Conseguiu pedalar, sem parar, durante dois dias. Em resposta, Antônio José se lembrou que Toinho de Eneas havia batido esse recorde, pedalando durante três dias.

Eu não lembro da façanha de Horácio, mas presenciei a de Toinho, e se bem me lembro, falava-se que aquele desafio era para bater o recorde anterior. Lembro que todos se divertiam quando Toinho queria, no dizer de antigamente, verter água. Jogava um balde d´água, verdadeira, sobre si. Ninguém via a urina escorrendo por sua perna.

Antônio José nos enviou a foto abaixo, cheia de significado histórico. Ele pensava que o rapaz da foto era filho de Chico Germano, mas Evaldo afirma, peremptoriamente, que é Horácio de Chico Lino.

Creio que agora a história está bem encaminhada. A foto foi feita para premiar o feito (perdão pelo trocadilho). Pena que foto com Toinho de Eneas realizando sua façanha foi rasgada por sua neta, como nos informou Antônio José.

Só nos resta aguardar comentários daqueles que têm mais de meio século de idade e presenciaram ou têm conhecimento desses fatos.

1:Francisca Frutuoso, 2:José Tavernard, 3:Ivani Rolim, 4:João Rodrigues, 5:D. Chiquinha, 6:Cônego Ismar, 7:João de Souza, 8:Toinho de Pixico, 9:Horácio de Chico Lino, 10:João Marques, 11:Dorinha Cirilo, 12:Didinha, 13:Zé Maduro, 14:Toinho Horácio, 15:Antônio da Usina.

Anúncios

Aproveitando a deixa das últimas crônicas, nas quais mencionamos a família Calazans, e Evaldo chamou a atenção para o fato de haver poucas bicicletas em AB, lá pelos idos anos 1950, lembro de uma novidade daquela época: a bicicleta de corrida adquirida por Toinho Calazans, que já era o verdadeiro administrador do Armazém do seu pai. A gente chamava de bicicleta de corrida porque tinha o guidon virado para baixo e as rodas bem fininhas. Eu, que aprendera a andar de bicicleta “roubada” de salineiros, lá do outro lado do rio, meia légua depois da barra, sofri o diabo com aqueles pneus finos da bicicleta de Toinho. Acho que, além do dono, apenas Chico Novo e eu tínhamos o privilégio de andar naquela bicicleta. De vez em quando ele ficava brabo comigo, porque chegava um pouco depois de tempo combinado para a devolução. Não sei que propósitos Chico Novo tinha quando pedia a bicicleta. Da minha parte, não tenho vergonha em declarar: pedia para me exibir na frente das casas das namoradas ou daquelas com quem estava flertando. Coisa boa uma flertada na praça da igreja, heim? Lembro que uma vez, a ciumenta mãe de uma namoradinha nos surpreendeu de mãos dadas, entre o Correio e o Grupo Escolar, esse que foi motivo da recente crônica de Evaldo. A menina ficou alguns dias de castigo. Para irritação da mãe eu passava várias vezes ao dia, chispando na bicicleta de Toinho Calazans. Santa bicicleta!

Sei que ficou nebulosa a história da “bicicleta roubada”. Era assim. Meus avós moravam num sítio, meia légua depois da Barra, para onde íamos nas férias. Na frente do sítio, meu tio tinha um armazém, que fornecia de tudo para os salineiros da região. Eles encostavam suas bicicletas, burros e cavalos, feito aqueles armazéns dos filmes de faroeste, e ficavam um bom tempo comprando seus mantimentos e tomando umas e outras. Nisso, a meninada que estava em férias no sítio aproveitava e “roubava” a bicicleta, e na falta desta, o animal que não desembestasse. Claro, de vez em quando um desprevenido pegava um burro-mulo mais tinhoso e era um Deus-nos-acuda. Geralmente só tinha duas alternativas: agarrar-se no pescoço do bicho até ele parar, ou pular, correndo o risco de quebrar pernas e braços.

Post-Scriptum (desculpe o aparente esnobismo, mas é que gosto tanto dessa expressão em Latim, que raramente escrevo PS) – Dois comentários, um de Evaldo e outro de Antônio José me motivaram a escrever nova crônica com o registro dos desafios de resistência de Horácio de Chico Lino e Toinho de Eneas.

ismar3a1Minha vida cruzou várias vezes com a do padre Ismar e depois com a do cônego Ismar, mas, exceto aquilo que me diz respeito, pouca coisa tenho registrado na memória sobre ele. Mesmo assim tentarei puxar do fundo da memória o que ainda restou.

Nasci numa casa ao lado da casa de Zé Tavernard. Do outro lado da casa de Tavernard ficava a casa paroquial. Era uma casa entre a de Tavernard e a loja que durante muito tempo foi propriedade de Ribinha. Ficava à direita, na foto abaixo.

Naquela época, quando eu tinha entre 3 e 5 anos, o padre Ismar tinha uma moto, que em Areia Branca se chamava “motor”. Tenho apenas uma vaga lembrança, mas minha mãe e minha tia Dadá (Geraldinha, mulher de Toinho do foto) contavam-me que o padre Ismar e seus visitantes na casa paroquial se divertiam comigo. Eu costumava imitar o coelho da páscoa e seu João de Quidoca. 

ruacelliberalino_1970

Depois dos 5 anos fomos morar na Silva Jardim, e a casa paroquial mudou-se para uma casa em frente à casa de Antônio Noronha, na mesma rua Cel. Liberalino, à esquerda na foto acima, uma meia dúzia de casas depois da esquina. Lembro que o padre Ismar tinha um sobrinho. Não lembro mais seu nome. A única coisa que me lembro é que um dos jogos da copa de 66 ouvimos no rádio lá na casa paroquial. Era um monte de gente. Acho até que tinha bebida na história.

Entre 1957 e 1961 andei participando de um grupo que frequentava a igreja, ajudava a missa. Era tudo desfaçatez para impressionar as meninas. Naquela época contava ponto quem participava desses movimentos. Só lembro dos jogos de futebol nas manhãs de domingo, depois da missa. Era o time da Cruzada Eucarística. Lembro também que um dia cometemos o “sacrilégio” de comer hóstias na sacristia. Não lembro quem teve a idéia, mas sei bem que eu era apenas coadjuvante, pecador assim mesmo.

Lembro a indignação dos católicos areiabranquenses pela longa espera a que foi submetido padre Ismar para se ordenar Cônego. 

Também não posso esquecer da vida pouco ortodoxa do cônego Ismar, quando se tratava de jogos de baralho, e de sua intensa participação na vida educacional areiabranquense.

Meu pai tinha uma forma bastante rígida de educar os filhos. Não sei bem se porque considerava o ensino em Areia Branca muito deficiente ou se desejava que tivéssemos um aprendizado diferenciado, o fato é que ele complementava as aulas que recebíamos na escola. Diariamente nos passava lições para estudar e à noite era a hora de “tomar a lição”, ou seja, verificar nosso aprendizado. Isso era rotina diária. E ai de nós se não estivéssemos com as lições na ponta da língua. Hoje conseguimos ver tudo isso com outros olhos, mas na época a aproximação da hora da lição era precedida de ansiedade e medo de não acertarmos todas as perguntas.

Mas durante a semana às vezes havia um “refresco”, uma folga, um dia sem esta prestação de contas. Era quando os amigos se reuniam em casa para jogar baralho. Lembro que faziam parte da turma do Poker Sr. Sérvulo Araújo, Sr. Jofre Josino, Dr. Dimas Pimentel, o Cônego Ismar. Nestes dias era uma alegria total, uma vez que enquanto jogavam nós podíamos ir brincar na rua.

Nossa vida era simples e nossa felicidade era proveniente desses momentos de descontração e lazer. Bons tempos aqueles…

Crônica publicada no jornal Prieira Mão

Ano II, n. 6, 1998

 

Durante toda minha juventude areia-branquense presenciei e ouvi histórias do mais fino humor, algumas antológicas. Entre tantos personagens, quase-mitos, desse nosso acervo humorístico, destacarei o Zé, filho de Antônio Noronha, para contar uma história pouco conhecida. Jamais fiquei sabendo quem o apelidou de Zé Moconha, nem a verdadeira motivação do apelido. Dizem que era por causa de um tipo de cigarro que ele apreciava, mas não sei se isso é verdade. O que é verdade é que o dito cujo era um poço de estripulias. Quando bebia, e isso não era raro, Zé Moconha aprontava; às vezes com o mais surpreendente e refinado bom-humor; às vezes com a mais brutal violência. Quando extrapolava, a polícia intervinha, com a condescendência que se deve ter com um inocente travesso. Certa vez, bêbado como só ele sabia ficar, montou um cavalo e resolveu dar voltas na praça da Matriz, galopar pela rua do Meio e entrar no Cine Miramar. Quando finalmente o delegado de polícia conseguiu interpelá-lo, foi logo justificando:

– Zé, você vai ficar preso porque tentou entrar no cinema e andou a cavalo sobre a praça.
– Pela entrada no cinema o senhor pode me prender, mas pelo passeio na praça eu não mereço. A volta que eu dei num sentido, foi desfeita quando eu dei a volta no sentido contrário.

Quando sóbrio, era a doçura em pessoa. Minha mãe e minhas tias nunca acreditaram que o Zé fosse capaz de fazer aquelas coisas que diziam. Embora ligado por laços familiares, nunca tive uma grande aproximação com Zé Moconha, talvez por causa da diferença de idade. Contaram-me que quando eu era criança (por volta dos 4 ou 5 anos), Zé Moconha e amigos, incluindo o Cônego Ismar, costumavam divertir-se com minhas imitações (dizem que minha imitação do João de Quidoca era engraçadíssima).

Bem no início dos anos sessenta, antes de Antônio Noronha sair de Areia Branca, Zé Moconha foi a Natal e hospedou-se na casa dos meus avós, com os quais eu morava durante o período escolar. Aproveitamos um domingo e fomos visitar uma exposição agropecuária em Parnamirim. Não consigo lembrar como lá chegamos, e não consigo esquecer como de lá saímos.

O Zé começou a tomar umas e outras; coquetéis diversos. Divertia-se à vontade. Quando o dia foi escurecendo, eu, nos meus 12 anos, comecei a ficar preocupado quanto ao retorno. Zé Moconha não tava nem aí. “De algum jeito a gente sai daqui!” Dizia na maior tranqüilidade. Finalmente, ele consumiu o último centavo de daiquiri.

– E agora, Zé?
– Vam’bora!

Eu ainda estava tentando imaginar como aquele “Vam’bora!” ia se transformar em realidade, quando percebemos um monte de gente subindo num caminhão. Iam até a Igreja São Pedro, no Alecrim. Subimos e ficamos encostados na grade, no final da carroceria. Lembro que o Zé perguntou o preço da passagem, mas eu não estava preocupado com o valor; qualquer que fosse, não tínhamos um tostão para pagá-la. Eu não imaginava como, mas confiava que Zé Moconha haveria de encontrar uma solução para pagar nossas passagens. Em plena viagem, alguém inicia a cobrança lá na outra ponta da carroceria. Imediatamente Zé Moconha começa também a cobrar as passagens, a partir da traseira do caminhão. Mais ou menos no meio da carroceria, os cobradores (o verdadeiro e o falso) encontram-se, e o Zé, na mais cândida inocência diz:

– Pronto, daqui para trás tá tudo pago!

outubro 2017
S T Q Q S S D
« set    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Para receber as novidades do blog