You are currently browsing the tag archive for the ‘igreja’ tag.

Esse trecho da Rua da Frente é uma área pouco visitada pelas pessoas de outras ruas. Trata-se, na verdade, de uma região diferente, mais calma, com uma igreja no início e o Tirol e a Praça do Pôr do Sol fechando o quadrilátero na outra ponta.

A parte de cima da Rua da Frente sempre perdeu para a parte de baixo quando o quesito é movimento, agitação. Em compensação, sempre levou muita vantagem no item charme e elegância. Essa dualidade me lembra aquele poema fescenino de autoria de Dr. Milton Ribeiro, A Bufa, que também se encerra na tentativa de esclarecer uma dualidade: Ganhando em cheiro o que em som perdeu, quem no cinema ou na igreja uma bufinha já não deu?

Saindo da igreja, confesso desconhecer quem é o morador desta primeira casa. Na segunda casa mora dona Cota, mãe de Manoel Avelino, que já foi prefeito. Na sequência, a bodega de Antônio Calazans, seguida de uma casa bonita, embora pequena. Aqui fica uma agência do Loyd Brasileiro. Nessa esquina funciona uma pensão, na casa onde morava o tenente Durval, que foi delegado da polícia. Era o terror dos foras da lei. No final da Rua da Frente, como que compondo o que em Brasília seria uma ponta de picolé, duas empresas de peso: a Mossoró Comercial e F. Souto.

Essas casas que ficam por trás da Praça do Pôr do Sol são o que há de charmoso e de ar pastoril em Areia Branca. Ficam aqui, protegidas por essas árvores, como que paradas no tempo, com aura de passado. É um dos lugares mais bonitos da nossa cidade.

Praça do Pôr do Sol hoje

Aqui na frente, duas estruturas que realmente tornam este lugar elegante, com ar bucólico e cheiro de saudade: o Tirol e a Praça do Pôr do Sol, aquela defronte a esta, as duas se misturando em um único encantamento. Parece até que uma não existiria sem a outra. Este local exerce um verdadeiro fascínio em mim. Às vezes penso que venho pouco aqui para não gastar minha dose de fascínio.

Fico por aqui. Vou sentar neste banco e assistir ao desembarque dos passageiros que estão chegando em uma lancha que acaba de atracar no Tirol. Esse som que vem dessa casinha branca tem tudo a ver com este momento. É a trilha sonora do filme Assim Caminha a Humanidade, recém lançado. O cais à frente, com o Tirol, é o cais da espera, que acolhe e dá abrigo. Vou ficar mais tempo aqui.

Foi uma das minhas últimas satisfações ao visitar aquele local.

EvaldOOliveira

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN

 

 

Anúncios

O ano, 1959. O local, a igreja em frente à Rampa. No contraponto, o manguezal que nos encanta. O que fazer, então? Enquanto penso, vou caminhando por essas calçadas no sentido da prainha de Zé Filgueira.

Na esquina, ao lado da igreja, a loja de Pedrinho Rodrigues chama a atenção pela variedade de produtos em suas prateleiras. Antonio José nos lembra que Maria Odete trabalha aqui.

Em seguida, a sortida bodega de seu Quidoca; na sequência, as bodegas de José Batista e a de Antonio Noronha. Chico Lino, homem sério e de pavio curto, logo aparece no balcão de sua mercearia, também uma das melhores daquele trecho. Ao lado, a casa onde morava com seus filhos Horácio, Araci, Concebida e Pedro. Vou parar um pouco. Está entrando um iate branquinho com listas escuras nas laterais.

A loja de tecidos de seu Quincó fica bem aqui, ao lado de sua casa. Vizinho à loja de seu Quincó fica a padaria de seu Lalá, seguida das Lojas Paulista, onde o irmão de Bobô é gerente. Esta mercearia pouco sortida é a de seu José Silvino e dona Ester, pais de Ivo, Mauro, João Alves, Eraldo, Evaldo, Zé Maria, Francisco, Isabel e Ana Maria. Aqui ao lado, a bodega de José Leonel e dona Hilda. Aqui fica a bodega de seu Josa, sempre com uma piada engraçada na ponta da língua. Ele é o pai de Bezinho e Vavá. A mercearia de Valdemiro fica aqui. A esta hora dona Noêmia, com certeza, deve estar assando algum bolo com cobertura açucarada grossa, geralmente vermelha. Aqui fica a mercearia de seu Isídio, controlada com muita sabedoria por Queca. Esta é a mercearia de dona Branca, mãe de Tututa, Lázaro e Petinho. Eles fabricam vinagre de forma artesanal. Na esquina, seu Eduardo tem como vizinho uma barbearia logo no início da rua que corta à direita.

Conheço pouco o trecho que se segue, mas vou seguir a orientação de Miranda, que é um sujeito que não conheço, mas entende muito de Areia Branca. Da rua Joaquim Nogueira à rua dos Calafates, vejamos, tem seu Eduardo, a mercearia de Vicente Simão, a casa de Quinca Pereira, a de Toinho de Chico Inácio, que é o pai de Alzenir Rolim, a cooperativa dirigida por Quiquinho Lúcio, a casa de Quinca Semeão e esta bela mercearia ao meu lado direito, que me faz lembrar de um episódio contado por Evaldo.

É a bodega de Sebastião Amorim. Evaldo e sua turminha tinham como costume vender garrafas aqui na mercearia de Sebastião Amorim. Um empregado dessa mercearia, sabendo muito bem com quem tratava, tinha o hábito de cheirar a boca de todas as garrafas, para afastar aquelas que tinham sido utilizadas para guardar querosene. Certo dia, os meninos esperaram até que alguém estivesse preparado e soltasse um pum na garrafa, sendo tapada com a mão logo em seguida. Ao chegarem com cara de anjo, o rapaz foi logo cheirando a boca das garrafas. Alguém falou: Não tem querosene em nenhuma. Ele respondeu: De fato, não tem querosene, mas nesta tem bosta, e eu não quero nenhuma delas. E a turma voltou sem o dinheiro das cocadas. Porém comemorando a vingança.

Agora vem a casa de Zé Braz, a casa de João de Pixico, Chico Carvalho, Chaguinha Carvalho, Chico Ludugero (pai de Cleodon), Luiz Mariano, Adauto peixeiro e Liberato. Ainda temos a bodega de Pedrinho Duarte, que fica aqui defronte ao mercado do peixe, a casa de Vicente Besouro, Antonio Pimenta, Zé Cazuza, Manoel Gonçalves, Chico de Neco, Antero Xixico e outras cujos moradores desconheço.

O tempo é cruel, e sei que esqueci algumas. Mas a memória é curta, e o sol está muito forte.

Voltemos ao patamar da igreja, que a parte de cima da Rua da Frente nos espera.

EvaldOOliveira

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN

Caríssimos internautas amigos e filhos de Areia Branca, que amam a sua cidade e fazem parte da sua história.

Sinto-me no sagrado dever de bem informá-los da razão e do processo de restauração da principal peça patrimonial de nossa cidade, símbolo e sinal de unidade da fé do nosso povo que é a Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição.

Sabemos que na mídia há muitos “comunicadores” que têm o prazer de atear fogo com emissão de más notícias, omitindo, distorcendo ou deturpando a verdade.

É bom e oportuno dizer para os desinformados que o templo que tem uma história tão bonita, já as portas do seu centenário, em 2007 ameaçava ruir. Informado por engenheiros e mestres locais da situação de risco, o Pároco, no caso é 1ª. e maior responsável, junto ao seu conselho administrativo resolve interdita-la para a restauração. Diante da urgência iniciamos os trabalhos sem 1 real em caixa. Confiamos na Providência Divina. Muitos paroquianos de Fé se envolveram na Campanha “S.O.S.” Restauração. Paulatinamente, começando pela torre, fomos fazendo. As novas necessidades litúrgicas nos obrigaram também a uma pequena reforma interna sem mexer com a estrutura nem linhas arquitetônicas do prédio. Fez-se um projeto que depois de analisado e aprovado pelo Bispo e a comunidade, contratou-se uma firma construtora que consciente de que não tínhamos o recurso financeiro suficiente, se dispôs assumir o empreendimento. O essencial para reabrirmos para celebrarmos a festa, foi feito, embora esteja faltando muito para a conclusão, este muito, deixamos para depois que pagarmos os R$47.000,00 que devemos a firma construtora. Foram muitos os corações generosos e amantes que colaboraram para deixar a Igreja no ponto que se encontro, atraindo turistas e causando admiração a todos.

Aqueles, que por amor, desejar nos ajudar a pagar, coloquem sua contribuição na conta-corrente do Banco do Brasil:

Ag 1469-9 / CC 5740-1.

Pe. Luiz Sampaio do Rêgo

Paróquia Nossa Senhora da Conceição
Rua Jorge Caminha, 208 – SOMOBAN
CEP: 59655-000 / Areia Branca – RN
CNPJ: 08.264.111/0016-01
Skype: paroquiaareiabranca
E-mail: paroquiaab@yahoo.com.br
Msn: paroquiaab@hotmail.com
Tel.: (84) 3332-2251 FAX: (84) 3332-2393

A situação em que se encontrava a igreja:

Como ficou depois da obra:

Acabei de ler o seguinte comentário de Mirabô:

NÃO VI AINDA. Eu soube que detonaram a igreja. Um predio histórico! E ninguem impediu isso? Cadê o povo de Areia Branca, que não se manifestou ? E aí, vai ficar assim mesmo?

Alguém pode relatar exatamente o que fizeram com a igreja?

Depois de alguns comentários de colegas do blogue, recebi esta foto enviada por Marconi Dutra. Ele a encontrou no Portal Costa Branca

É provável que a expressão “detonaram a igreja” usada por Mirabô tenha a ver com preferências estéticas. Mas, pelas manifestações aqui expostas, muitos gostaram do resultado. Pessoalmente, considero relevante que estrutura arquitetônica da igreja, pela menos a externamente visível, foi preservada.

Em algum lugar deste blog, acho que na página sobre o mesmo, convidei os jovens residentes em Areia Branca a participarem do blog, sobretudo depositando fotografias atuais para termos uma ideia da evolução geográfica da nossa salinésia. Pois não é que este menino de 72 anos, com memória de elefante, batizado Antônio Fernando Miranda e conhecido entre os íntimos como Toinho, tal qual seu xará, recentemente falecido Antônio do Vale, fez um registro iconográfico maravilhoso!

Os cinemas

cineCelFausto_ontem_400px

cineCelFausto_2009_400px

cineSRaimundo_ontem_400px

cineSRaimundo_2009_400px

cinemiramar_ontem_400px

cinemiramar_209_400px

Referências aos cinemas de Areia Branca:

Castelinho de Celso Dantas

castelinho_ontem_400px

 

Veja uma referência ao Castelinho de Celso Dantas aqui: Dodora, a neta de D. Zefa.

Antes do calçamento da Rua do Meio (atual Rua Cel. Fausto), jogávamos gol-a-gol na frente do Castelinho. Uma das traves era o tronco do pé de ficus, que aparece no canto direito da foto. Costumava-se jogar em duplas. Geralmente um que chutava forte e outro que agarrava bem.

Os meninos menores, a minha geração, costumava jogar futebol mirim na varanda do Castelinho, quatro contra quatro. Para quem não sabe, futebol mirim joga-se sem goleiro, com traves pequenas, menos de 1 metro de largura e aproximadamente 70 cm de altura.

Maternidade Sarah Kubitschek

maternidade_ontem_400px

maternidade_2009_400pxProcissão Marítima

procissao_mar_ontem_400pxprocissao_mar_2009_400px

Andor de N.S. dos Navegantes

andor_NSNaveg_ontem_400px

andor_NSNaveg_2009_400px

Extração e transporte de sal

salinas_ontem_400pxsalinas_2009_400px

barcacas_ontem_400pxbarcacas_2009_400px

Capitania dos Portos

capitania_ontem_400pxcapitania_2009_400px

Igreja Matriz

igreja_sec19_400pxigreja_2009_400px

Farol da praia de Upanema

farol_ontem_400px

farol_2009_400px

Mercado público

mercado_ontem_400px

Essa é uma fotografia posterior 1970. Antes, esse espaço à direita era ocupado por barracas que vendiam diversos tipos de mantimentos, frutas, verduras e legumes.

mercado_2009_400px

Até a quarta coluna verde, da direita para a esquerda, era a ligação das duas partes da rua Silva Jardim (atual Francisco Ferreira Souto). A parte que ficava ao lado da Av. Rio Branco e a parte que ficava ao lado da rua João Felix.

Serviço Social da Indústria (SESI)

sesi_ontem_400px

sesi_2009_400px

Telefônica

telefone_ontem_400pxtelefone_2009_400px

Tirol, um local de grande importância econômica e social até os anos 1970

tirol_ontem_400px

tirol_2009_400px


outubro 2017
S T Q Q S S D
« set    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Para receber as novidades do blog