You are currently browsing the tag archive for the ‘rua do meio’ tag.

Não adianta sonhar. Eu sei que nunca mais verei as coisas da minha infância. Reviver os fatos, revisitar fisionomias, sentir o vai e vem da cidade no seu dia a dia, com as pessoas caminhando sem pressa no rumo do mercado público. Sem chance.

Não verei as pessoas de então, com os modos e os trejeitos inscritos no tempo, como uma consulta com Dr. Gentil no IAPC, uma conversa com Chico Lino, uma tarde no Tirol, contemplando o rio Ivipanim caminhando com seu passo lento para se entregar ao mar, nem o incansável Chico de Boquinha, que sempre se envolvia nas atividades sociais da cidade. Sua participação no mais famoso pastoril, que foi armado em frente à casa dos padres, vizinho à residência de Antonio Tavernard, foi decisiva para o sucesso daquele evento.

foto antiga de ABnU21voeXTbn9ed4k6a4FT9HnDbXuuyiUGBMJzA9dQgY5jhBh8rIZ6D8TWD0rgAm1T1UCGK1M6HlvbiCDQYImyf7h1cc9j2

Não verei cidadãos e cidadãs no rumo do mercado público com seus baldes de alumínio. Não há mais espaço para o subir e descer correndo pelas pirâmides de sal, sem avaliação dos riscos, sejam estes nos pés ou de morte, e chegarmos em paz à praia do meio. No sentir-se único nessas empreitadas talvez esteja o cerne da nossa vantagem competitiva

Do patamar da velha igreja, não adianta fechar os olhos na tentativa de identificar qual a barcaça que passava com seu jeito brejeiro, exibindo-se para um manguezal que disputava esse privilégio com a Rua da Frente, do outro lado do rio. Os iates, nem pensar.

Nunca mais verei os cataventos girando, tocados pelo vento solto e matreiro que corria pelas várzeas. Lembro das salinas sem qualquer mecanização, onde o suor do homem era subproduto de um esforço sofrido em sua tentativa de substituir por um tempo a força das máquinas que um dia forçosamente viriam. E chegaram com a prepotência dos decibéis e a desproporcional força de seus motores. Nos restos a lembrar, esqueletos de embarcações pairavam à deriva do carbono 14.

carcac3a7a-de-bote1

Sei que não mais verei a Rua do Meio, que parecia estar sempre com roupa e pose de festa. À noite, o Cine Coronel Fausto nos acenava com sua aura de portal iluminado. Sei que hoje as novenas na igreja de Nossa Senhora da Conceição já não têm o amálgama que unia crianças e adultos, servindo de ponto de encontro no depois dos eventos, a pracinha a nos esperar, com as músicas da sonora acariciando nossos ouvidos com as canções de então.

Percebo que as canoas também se foram. Sei que jazem escondidas em um cantinho escuro, na dobra do tempo. E a festa que a chuva trazia, acompanhada de seus ciclopes lançadores de raios e trovões atraídos de um Olimpo ainda não formatado em nós, desentocando a meninada de suas casas para a festa debaixo das bicas. Hoje, sem chance.

DSC03743

E haja água na moleira!

EvaldOOliveira

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN

Estive recentemente em Areia Branca, na praia de Upanema, e saboreei um pedaço de picanha. Não, não foi em um churrasco, foi em um café no Restaurante Pasárgada, na companhia de Toinho Tavernard. Essa picanha aí é um pão tipicamente areia-branquense, cuja origem do nome é desconhecida para mim e para Toinho. Parece que foi criado por Pedro Rodrigues. Lembro que antes dos 10 anos, quando morávamos na rua Silva Jardim, hoje Francisco Souto Sobrinho, eu costumava comprar esse pão na padaria de Pedro Rodrigues, na rua Coronel Liberalino.

A propósito, conversei com Toinho sobre um tema que de vez em quando emerge aqui. Evaldo e acho que também Othon, costumam usar a denominação “rua do Meio” para as ruas Coronel Fausto e Coronel Liberalino. Sempre insisti que “rua do Meio”, até os anos 70 referia-se exclusivamente à rua Cel. Fausto. Toinho também tem essa lembrança, mas Leila, sua filha, disse que atualmente costuma-se fazer a extensão da denominação, como propõe Evaldo e Othon.

Então, temos algumas singelas questões para os nossos memorialistas Antônio José, Gibran e Miranda:

– Qual a origem do nome e quem inventou a “picanha”?

– Quando a denominação “rua do Meio” passou a ser usada para as ruas Cel. Fausto e Cel. Liberalino?

Wellington de Reinério era um menino pacato como poucos, sem qualquer ambição de liderança. Estava sempre na dele, sem incomodar ninguém. Já Wilton, voluntarioso, briguento como parte da família, estava sempre incomodando seu irmão mais velho. Isso era uma constante nas nossas peladas.

Wellington jogava uma bola redondinha. Era um jogador habilidoso e elegante. Não fazia as habituais trapaças, como puxar o calção do adversário, levantar o pé acima da bola, armando o que se chamava de chapa, não dava uma cotovelada. Era ele e a bola, tentando apenas se esquivar dos adversários. Franzino e com esse espírito angelical, jamais conseguiu despertar interesse dos vários times de futebol em AB. Mas, nas peladas era sempre um dos primeiros a ser escolhido por quem ganhava o par-ou-ímpar.

Wilton tinha muitas dificuldades no trato com a bola. O que a natureza lhe deu de inteligência e habilidade com um maçarico, lhe tirou dos pés. De vez em quando ele obrigava Wellington a participar do par-ou-ímpar para ser um dos selecionadores, algo que violava a natureza do irmão. A estratégia tinha objetivo: ser um dos primeiros escolhidos. E ai de Wellington se não o obedecesse. Ameaçava dizer à mãe que Wellington estava jogando na rua. Sim, algumas mães não gostavam que seus filhos sujassem pés e canelas com a areia salitrosa que tomava conta da rua no embalo daqueles ventos areia-branquenses. Nunca entendi porque Wellington se preocupava tanto em respeitar as ordens da mãe, enquanto Wilton não estava nem aí! Se fosse hoje, ele ficaria cantando: Tô nem aí, tô nem aí . . .

Quem teve oportunidade de jogar bola na rua, naquela época, vai lembrar que a areia misturava-se com o suor e grudava no pé e em parte da canela. Parecia uma meia. Pois bem, para não deixar essa prova de que estivera jogando, Wellington passava o tempo todo limpando os pés. Era muito engraçado ver aquela cena. Ele dava uma corridinha e se encurvava. Passava as duas mãos, da ponta dos pés até o meio da canela. Primeiro no pé esquerdo, depois no direito, ou seria o contrário? Mas o danado jogava bem, e tinha tempo de fazer isso e executar as tarefas que lhe cabiam: dominar a bola, passar para um companheiro e fazer gol.

Já está evidente que Wilton não tinha grande intimidade com a redondinha, qualquer que fosse, de pano, de borracha ou de couro número 1 (a pequena) ou número 5 (a profissional). Mas, tinha um senso de humor discreto, sutil e refinado. Uma vez estávamos na sua pequena oficina, no fundo da casa. Em vão, ele procurava o martelo escondido em algum lugar daquela monumental desordem. De repente, estalando os dedos começou a chamar, como se a ferramenta fosse um animal doméstico:

– martelinho, martelinho, onde você se escondeu? Martelinho, martelinho, venha cá!

Com esse jeito engraçado ele fazia as ameaças a Wellington durante as peladas. Ninguém se animava em passar-lhe a bola. A chance de uma sequência bem sucedida era quase nula. Um dia, irritado com isso, aproveitou o momento em que Wellington estava de posse da bola, correu em sua direção com uma havaiana (chamávamos sandália japonesa) na mão, pronta para ser atirada, e gritou:

– Passe a bola, passe a bola senão jogo a sandália!

Não lembro quem testemunhou as cenas acima. Acho que a última também foi presenciada por Clécio. Para concluir, vou relatar uma história envolvendo Flávio de Pitita.

Era costume naquela época grupos de meninos desafiarem outros para uma partida de futebol no meio da rua. Os locais preferenciais eram a rua do meio (Cel. Fausto),

a dr. Almino (atual Dep. Manoel Avelino)

e a rua das almas, bem na frente do cemitério (olhaí, Evaldo, falei no cemitério!). Claro, isso antes do calçamento dessas ruas. Tenho várias historinhas com relação a isso. Vou relatar uma delas. Wilton, Clécio e não sei quem mais, desafiaram Wellington, Flávio de Pitita e este relator. Cada grupo deveria formar um time de 6 jogadores (um no gol e 5 na linha). Decidimos fazer um treino de 3 contra 3, no campo da saudade, logo depois do almoço! Só a energia de adolescentes para suportar tamanha loucura. O campo da saudade era o campo de futebol de AB, onde jogavam 11 contra 11. Agora, 3 contra 3 às 2 horas da tarde é uma insanidade.

Clécio, Wilton e o terceiro que não lembro, não eram páreo para Wellington, Flávio e eu. Sabíamos que no jogo prá valer era páreo corrido, como se diz no turfe quando um cavalo é claramente superior aos outros. Com essa certeza em mente e o sol na moleira, Wellington e eu decidimos amolecer. Toca a bola prá lá e cá, sem grande esforço, displicentemente, deixando os intrépidos adversários tomá-la, não fazendo qualquer esforço para recuperá-la. Flávio espumava de raiva. Wilton e Clécio se divertiam com os gols que faziam, um atrás do outro. E o pobre do Flávio correndo sozinho atrás dos 3 adversários, nos fulminando com seu olhar raivoso. No finalzinho, faltou-lhe o ar e ele ficou quase em estado de choque, parecia que ia ter uma convulsão, enquanto corria atrás de  Wilton, que se aproximava celeremente do nosso gol. Wellington e eu, assustados com a cena, ficamos parados na zona intermediária do campo. Wilton fez o gol e gritou, todo sorridente e provocativo:

– Se no treino foi assim, imagina no dia do jogo!

Flávio, com a pouca energia que lhe restava, correu em sua direção e agarrou-lhe o pescoço. Foi uma luta para evitar o enforcamento!

Em algum lugar deste blog, acho que na página sobre o mesmo, convidei os jovens residentes em Areia Branca a participarem do blog, sobretudo depositando fotografias atuais para termos uma ideia da evolução geográfica da nossa salinésia. Pois não é que este menino de 72 anos, com memória de elefante, batizado Antônio Fernando Miranda e conhecido entre os íntimos como Toinho, tal qual seu xará, recentemente falecido Antônio do Vale, fez um registro iconográfico maravilhoso!

Os cinemas

cineCelFausto_ontem_400px

cineCelFausto_2009_400px

cineSRaimundo_ontem_400px

cineSRaimundo_2009_400px

cinemiramar_ontem_400px

cinemiramar_209_400px

Referências aos cinemas de Areia Branca:

Castelinho de Celso Dantas

castelinho_ontem_400px

 

Veja uma referência ao Castelinho de Celso Dantas aqui: Dodora, a neta de D. Zefa.

Antes do calçamento da Rua do Meio (atual Rua Cel. Fausto), jogávamos gol-a-gol na frente do Castelinho. Uma das traves era o tronco do pé de ficus, que aparece no canto direito da foto. Costumava-se jogar em duplas. Geralmente um que chutava forte e outro que agarrava bem.

Os meninos menores, a minha geração, costumava jogar futebol mirim na varanda do Castelinho, quatro contra quatro. Para quem não sabe, futebol mirim joga-se sem goleiro, com traves pequenas, menos de 1 metro de largura e aproximadamente 70 cm de altura.

Maternidade Sarah Kubitschek

maternidade_ontem_400px

maternidade_2009_400pxProcissão Marítima

procissao_mar_ontem_400pxprocissao_mar_2009_400px

Andor de N.S. dos Navegantes

andor_NSNaveg_ontem_400px

andor_NSNaveg_2009_400px

Extração e transporte de sal

salinas_ontem_400pxsalinas_2009_400px

barcacas_ontem_400pxbarcacas_2009_400px

Capitania dos Portos

capitania_ontem_400pxcapitania_2009_400px

Igreja Matriz

igreja_sec19_400pxigreja_2009_400px

Farol da praia de Upanema

farol_ontem_400px

farol_2009_400px

Mercado público

mercado_ontem_400px

Essa é uma fotografia posterior 1970. Antes, esse espaço à direita era ocupado por barracas que vendiam diversos tipos de mantimentos, frutas, verduras e legumes.

mercado_2009_400px

Até a quarta coluna verde, da direita para a esquerda, era a ligação das duas partes da rua Silva Jardim (atual Francisco Ferreira Souto). A parte que ficava ao lado da Av. Rio Branco e a parte que ficava ao lado da rua João Felix.

Serviço Social da Indústria (SESI)

sesi_ontem_400px

sesi_2009_400px

Telefônica

telefone_ontem_400pxtelefone_2009_400px

Tirol, um local de grande importância econômica e social até os anos 1970

tirol_ontem_400px

tirol_2009_400px


O texto apresentado a seguir foi postado como comentário à crônica de Marconi e Marcelo Dutra, sobre a Escola Santa Terezinha. Causou tanta impressão em Marcelo e em mim, que decidimos publicá-lo como uma crônica. Temos razões para assim proceder:

  1. Trata-se de um texto com uma extraordinária carga emocional. A publicação aqui é uma homenagem à autora e seus amados antepassados.
  2. Publicado com a devida contextualização, que faremos após o texto e que esperamos ser complementados com comentários de outros visitantes do blog, sobretudo de Antônio Fernando Miranda (que memória ele tem!), se constituirá em importante documento a respeito de uma parte da vida e do espaço urbano na Areia Branca dos anos 1950. Para elaborar a contextualização, mantivemos contato com a autora, por intermédio do correio eletrônico.
  3. Finalmente, uma motivação acadêmica. Esse tipo de iniciativa que estamos empreendendo tem um potencial histórico e sociológico fantástico. Uma pessoa lá nos EUA, encontra-se virtualmente com outras, umas aqui outras acolá para reconstituir uma parte da história que de outro modo ficaria perdida após a morte desses correspondentes. Agora, esses fatos estão registrados. É verdade que com a peculiar perspectiva de Dodora, mas trata-se de uma peça importante no quebra-cabeça histórico.

O texto de Dodora

Eu nasci em Areia Branca em 1938.
Minha familia mudou para o Rio de Janeiro quando eu tinha 11 meses de idade(a minha mae foi na frente para morar com uma irma e arranjar emprego) mais com a minha querida e saudosa Avo voltei a Areia Branca 8 vezes .
A historia da minha familia e enorme , pois a minha avo casou duas vezes e teve 17 filhos todos nascidos em Areia Branca.Muitos morreram.
Mais a unica da familia que sempre ia a Areia Branca e sempre me levava era a minha avo.
O nome dela era Josefa Bernardo da Costa e tinha um marido que bebia muito e que fiou em Areia branca .O Pedro. Ele faleceu em 1964 ou 1965
Ela contava que quando chegava de navio .O navio ficava ao largo e ela descia em uma escada de corda comigo no colo, depois pegavamos um barco e saltavamos no cais.
Os filhos nao tinham muito orgulho do pai e por este motivo se desgostaram e nunca mais quiseram voltar.
No Ano de 1952 voltei a Areia Branca e fiquei 2 anos so retornando ao Rio de Janeiro em Maio de 1954.
E este e o periodo que quero relatar.
Conheci a Areia Branca que so tinha um cinema .Nao lembro do nome. ,mais era localizado na rua do meio quase em uma esquina Foi la que vi o filme SanSao e Dalilah .
Naquela epoca as unicas ruas que se podia caminhar e que a areia nao tomava conta era a rua da frente, rua do meio, e o jardim (assim que chamavam a pracinha)
Foram os melhores dois anos da minha vida.
Brinquei Carnaval no baile da Prefeitura,
Dancei pastoril(Era do cordao encarnado)
Corri para a Ilha quando todos corriam quando chegava um elicoptero na cidade que era coisa rara.
Namorei varios rapazes e por um eu era apaixonada.
O nome dele era Titico e quando estavamos namorando(imagina com 15 anos )a familia dele mandou ele para Mossoro ou Natal .Nao lembro.
Creio que para servir o exercito e estudar.Quase morri.
E ele fez uma linda Serenata para mim.Inesquecivel para uma menina de 15 anos que morava no Rio de Janeiro onde nao existe estas maravilhas.
Ele ainda voltou a Areia Branca 1 vez e depois nao tive mais noticias.
Mais era gostoso namorar em Areia Branca.
Os rapazes ficavam encostados nos postes do Jardim e as mocas ficavam dando volta no Jardim(a praca em enter a Igreja e Prefeitura) ate que um encostava, como chamavam naquele tempo.
O autofalante da Prefeitura tocaca sempre aquela musica .
India Teus cabelos nos ombros caindo.Negros como a noite que nao tem luar………………………………………..
Fiz o que uma jovem na minha idade em Areia Branca fazia sem me machucar moralmente. Aproveitei a minha mocidade.
Fugia aos Domingos para ir dancar nas valsas da rua de traz(lugar proibido naquele tempo, pois nao ficava bem uma moca de familia ir para a rua de traz.
Sei que estudei no periodo que estive em Areia Branca mais nao consigo lembrar do nome da professora.
Tambem eu nao estava muito interessada pois sabia que ia voltar para o Rio de Janeiro,.
Me lembro que uma vez me disseram que eu tinha que ir cantar no cinema, pois iam vender ingresso, para levantamento das obras de caridade para comecarem os alicerces do primeiro Hospital em Areia Branca.O cinema ficou superlotado.
Fui candidata a rainha de algunha coisa que tinha a ver com o pastoril e ate venderam as minhas fotografias em um vestido londo .
Mais nao ganhei. Na ultima hora a outra candidata coldocou todos os votos e ela foi coroada.
Nao lembro do nome da minha oponente.
Mais uma coisa ela nem ninguem conseguiu tirar foram as memorias maravilhosas que tenho desta cidade.
Uma das musicas que fizeram para eu cantar comecava assim
O MINHA AREIA BRANCA TERRA TAO QUERIDA .
DE TODOS OS TEUS FILHOS TU ES DOCE GUARIDA
FICARAS ETERNAMENTE EM NOSSOS CORACOES………………………
E assim foi.Ficou eternamente no meu coracao.
Voltei para o Rio de Janeiro em 1954 e casei em 1958 .
Tive dois filhos e no ano de 1971 mudamos para os Estados Unidos.
Completamos Outubro ultimo 50 anos de Feliz casamento.

Mais voltarei a Areia Branca ,Meu filho ja me prometeu.
Pena que algunhas das pessoas que tenho memoria e que lembro os nomes que a vovo comentava sempre historias das comadres e compadres, com certeza nao estao mais nesta terra.
Alguns dos nomes mencionados eu lembro bem.
Dna Ritinha e Dr Gentil.
Joao da Quidoca, eu lembro que vovo era muito amiga da Dna Quidoca e que tinha alguns filhos, e filhas.
Sei que eu tinha uns padrinhos que moravam em uma casa muito grande na rua do meio, e que os fundos da casa dava para a rua Silva Jardim e eu sempre ia na casa deles e entrava pelo portao dos fundos pois moravamos na Silva Jardim.
Eles tinham bastante filhos, mais infelizmente nao lembro do nome deles.
As meninas eram muito boas e amigas.
Eu adorava jantar na casa deles, a comida era uma gostosura.
Tinha uma senhora muito bonita que morava na rua da frente, eu penso que o nome dela era Maria Dehil., que foi muito boa comigo e era ela que me ajudava com as fantazias do pastoril.
Ela era envolvida com a igreja, e todas as nossas festas eram com objetivo de levantar dinheiro para o hospital

Quando eu estava em Areia Branca houve uma tragedia.

Uma familia muito boa que morava na Rua Silva Jardim tinham dois filhos homes eu penso que tambem tinham mocas.
Eram mais velhos do que eu .
Sei que a historia era que um dos filhos estava namorando uma mulher casada e o marido descobriu saiu uma briaga e um dos irmaos que nao tinha nada a ver com coisa atirou no marido de infiel.
Foi uma tristeza total, porque o que atirou era considerado uma pessoa calma ,incapaz de matar uma mosca.
Nao sei em que ficou a historia, pois como disse voltei para o Rio de Janeiro.
Outra coisa que eu adorava em Areia Branca era o dia de malhar o Juda.
Aquela historia que a gente tinha que ficar a noite toda acordada velando o juda para ninguem roubar o bendito.Era fabuloso.
Aquilo era genial.
Imagina que quando voltei ao Rio que tentava contar as minhas amigas ninguem acreditava.
Bem Adorei ver o que voces escreveram sobra a minha querida Areia Branca.
Para mim uma surpresa maravilhosa.
obrigada pelas boas fotografias.
E exatamente o que tenho na minha memoria.
Espero que quando volte ,nao encontre tao diferente.
Adoro esta terra do jeito que ela e.
Dodora

Nossa contextualização (as fotos aqui apresentadas são de Antônio do Vale)

croqui_dodoraCom o croqui da Areia Branca de 1930, que Deífilo Gurgel colocou em seu livro, Areia Branca. A terra e a gente, montamos o espaço Dodora.

Dodora diz: “Sei que eu tinha uns padrinhos que moravam em uma casa muito grande na rua do meio, e que os fundos da casa dava para a rua Silva Jardim e eu sempre ia na casa deles e entrava pelo portao dos fundos pois moravamos na Silva Jardim.”

Provavelmente Dodora morava na altura do ponto indicado pela casa. Os padrinhos que ela se refere deve ser Celso Dantas e sua esposa (como era seu nome?), que moravam em um verdadeiro palacete (veja foto abaixo), próximo ao Cine Cel. Fausto, na época o único cinema em Areia Branca. Poucos anos depois seria instalado o Cine São Raimundo, próximo ao ponto onde anos depois foi construída a Maternidade sarah kubitschek. No início dos anos 1960 foi construído o Cine Miramar, na rua do Meio, atual Cel. Fausto.

castelinho_celsodantas Seu avô Pedro era uma personagem bem conhecida. Lembro bem de meu pai mencionando seu nome, “Pedro de Zeja”, mas não lembro sobre o que ele falava.

Ela contava que quando chegava de navio .O navio ficava ao largo e ela descia em uma escada de corda comigo no colo, depois pegavamos um barco e saltavamos no cais.”  Dito assim, parece que o navio ficava ali perto. O navio ficava na costa, como se dizia. Ou seja, em alto mar. Para chegar até o cais era uma aventura. Era tão longe, que do cais víamos apenas as silhuetas dos navios.

Aliás, há uma historinha muito interessante a esse respeito. Havia em mentiroso “profissional” em Areia Branca. Não lembro o nome, mas presenciei algumas das suas mentiras, no Armazém de Antônio Calazans. Ele adorava mentir, acho que só para ver a reação dos incrédulos. Uma vez estávamos no cais, ele e um monte de jovens e adolescentes. Daí ele diz: Tá chegando um navio japonês. Imediatamente alguém retrucou: Como é que você sabe que é japonês? Ora, pelo nome! Isso é que era vista telescópica.

cine_cel_fausto1Dodora, olhaí o Cine Cel. Fausto, onde você assistiu “SanSao e Dalilah”.

Namorei varios rapazes e por um eu era apaixonada.
O nome dele era Titico e quando estavamos namorando(imagina com 15 anos )a familia dele mandou ele para Mossoro ou Natal .Nao lembro.
Creio que para servir o exercito e estudar.Quase morri.

Quem era Titico?

Dodora me informou que: “ele era alto, claro com cabelos escuros. Ele morava na rua que creio posso chamar da Rua do Meio, pois era a continuacao da Rua do meio . Se voce estiver em frente a prefeitura olhando para a direcao do mar e da Igreja  e a rua que vai sem sentido direito. A casa deles nao era muito perto da prefeitura“.

Por esta descrição deveria morar depois da casa de Antônio Noronha, em direção à travessa dos Calafates.

O autofalante da Prefeitura tocaca sempre aquela musica . . “. As músicas que tocavam nos autofalantes dos cinemas merece um texto especial.

Quando eu estava em Areia Branca houve uma tragedia. Uma familia muito boa que morava na Rua Silva Jardim tinham dois filhos homes eu penso que tambem tinham mocas. Eram mais velhos do que eu. Sei que a historia era que um dos filhos estava namorando uma mulher casada e o marido descobriu saiu uma briaga e um dos irmaos que nao tinha nada a ver com coisa atirou no marido de infiel. Foi uma tristeza total, porque o que atirou era considerado uma pessoa calma ,incapaz de matar uma mosca. Nao sei em que ficou a historia, pois como disse voltei para o Rio de Janeiro.

Alguém lembra dessa história? Eu lembro de um assassinato bárbaro na Silva Jardim, mas acho que foi alguns anos depois, aí por volta de 1957.

agosto 2017
S T Q Q S S D
« jul    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Para receber as novidades do blog