You are currently browsing the tag archive for the ‘rua do meio’ tag.

A parte de cima da Rua do Meio, vista do lado que se inicia na Rua das Almas, foi uma das ruas por onde mais transitei na minha infância. Claro que todas as nossas brincadeiras eram feitas na parte de baixo, no trecho que se iniciava na prefeitura e terminava no Círculo Operário.

Dito isto, fica fácil entender minha dificuldade em identificar os moradores da parte de cima da Rua do Meio, na década de 1950. Para resolver essa lacuna, penetrei nos comentários postados neste blog e pedi ajuda a Dedé de Zé Lúcio, filho de Maria Venus (forma bonita de se identificar), Carlos Alberto e Miranda, o nosso Comandante.

Iniciando nossa aventura, temos do lado direito o Cine Coronel Fausto com toda a sua imponência de cineteatro. Vizinho ao cinema morava Huson Gois e sua esposa Enilza, irmã de Pantiquinho, tendo ao lado a casa de Manelzin Mucunza, pai de Chico Gurupi, vizinho do palacete de Zeca de Celso. Do lado esquerdo da rua, na esquina, ficava o armazém de de Pedro Leite; ao seu lado, em uma casa pertencente a Chico Souto, morava dona Edite Belém, que tinha como vizinho seu Adauto Ribeiro, pai de Sônia.

Descendo um pouco, tinha a casa de Antônio Calazans e dona Julinha e em seguida a casa de Dr. Vicente e dona Nenê, pais de Marcelo e Marconi. Do mesmo lado, o Cine Miramar dominava a paisagem, e muitas vezes perdia a hegemonia para as belas casas da Coletoria (onde morava a família dos Lúcio de Góis), tendo em frente a casa de Manoel Bento que, juntas, fechavam o quadrilátero.

Ainda do lado direito de quem desce, na casa ao lado da de Manoel Bento, onde morava Menezes, ficava a casa de Dr. Gentil e sua família, que não era pequena (a esposa e os filhos Ronald, Axel, Chico Zé e Haroldo).

Entre as casas dos Lúcio de Góis e o Maracangalha sempre houve uma edificação muito pouco citada nos comentários deste blog. Ali, várias atividades foram desenvolvidas, entre elas uma distribuidora de bebidas.

O Cine Miramar foi construído depois que o Maracangalha fechou; o prédio é o mesmo.

Sei que, em face do tempo, esquecemos pessoas muito importantes que residiam naquele trecho. Mas com certeza os comentários acrescentarão o que nossa memória deixou passar.

Evaldo de Zé Silvino, filho de Ester (com permissão de Dedé de Zé Lúcio, filho de Maria Venus)

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN

Anúncios

Não adianta sonhar. Eu sei que nunca mais verei as coisas da minha infância. Reviver os fatos, revisitar fisionomias, sentir o vai e vem da cidade no seu dia a dia, com as pessoas caminhando sem pressa no rumo do mercado público. Sem chance.

Não verei as pessoas de então, com os modos e os trejeitos inscritos no tempo, como uma consulta com Dr. Gentil no IAPC, uma conversa com Chico Lino, uma tarde no Tirol, contemplando o rio Ivipanim caminhando com seu passo lento para se entregar ao mar, nem o incansável Chico de Boquinha, que sempre se envolvia nas atividades sociais da cidade. Sua participação no mais famoso pastoril, que foi armado em frente à casa dos padres, vizinho à residência de Antonio Tavernard, foi decisiva para o sucesso daquele evento.

foto antiga de ABnU21voeXTbn9ed4k6a4FT9HnDbXuuyiUGBMJzA9dQgY5jhBh8rIZ6D8TWD0rgAm1T1UCGK1M6HlvbiCDQYImyf7h1cc9j2

Não verei cidadãos e cidadãs no rumo do mercado público com seus baldes de alumínio. Não há mais espaço para o subir e descer correndo pelas pirâmides de sal, sem avaliação dos riscos, sejam estes nos pés ou de morte, e chegarmos em paz à praia do meio. No sentir-se único nessas empreitadas talvez esteja o cerne da nossa vantagem competitiva

Do patamar da velha igreja, não adianta fechar os olhos na tentativa de identificar qual a barcaça que passava com seu jeito brejeiro, exibindo-se para um manguezal que disputava esse privilégio com a Rua da Frente, do outro lado do rio. Os iates, nem pensar.

Nunca mais verei os cataventos girando, tocados pelo vento solto e matreiro que corria pelas várzeas. Lembro das salinas sem qualquer mecanização, onde o suor do homem era subproduto de um esforço sofrido em sua tentativa de substituir por um tempo a força das máquinas que um dia forçosamente viriam. E chegaram com a prepotência dos decibéis e a desproporcional força de seus motores. Nos restos a lembrar, esqueletos de embarcações pairavam à deriva do carbono 14.

carcac3a7a-de-bote1

Sei que não mais verei a Rua do Meio, que parecia estar sempre com roupa e pose de festa. À noite, o Cine Coronel Fausto nos acenava com sua aura de portal iluminado. Sei que hoje as novenas na igreja de Nossa Senhora da Conceição já não têm o amálgama que unia crianças e adultos, servindo de ponto de encontro no depois dos eventos, a pracinha a nos esperar, com as músicas da sonora acariciando nossos ouvidos com as canções de então.

Percebo que as canoas também se foram. Sei que jazem escondidas em um cantinho escuro, na dobra do tempo. E a festa que a chuva trazia, acompanhada de seus ciclopes lançadores de raios e trovões atraídos de um Olimpo ainda não formatado em nós, desentocando a meninada de suas casas para a festa debaixo das bicas. Hoje, sem chance.

DSC03743

E haja água na moleira!

EvaldOOliveira

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN

Estive recentemente em Areia Branca, na praia de Upanema, e saboreei um pedaço de picanha. Não, não foi em um churrasco, foi em um café no Restaurante Pasárgada, na companhia de Toinho Tavernard. Essa picanha aí é um pão tipicamente areia-branquense, cuja origem do nome é desconhecida para mim e para Toinho. Parece que foi criado por Pedro Rodrigues. Lembro que antes dos 10 anos, quando morávamos na rua Silva Jardim, hoje Francisco Souto Sobrinho, eu costumava comprar esse pão na padaria de Pedro Rodrigues, na rua Coronel Liberalino.

A propósito, conversei com Toinho sobre um tema que de vez em quando emerge aqui. Evaldo e acho que também Othon, costumam usar a denominação “rua do Meio” para as ruas Coronel Fausto e Coronel Liberalino. Sempre insisti que “rua do Meio”, até os anos 70 referia-se exclusivamente à rua Cel. Fausto. Toinho também tem essa lembrança, mas Leila, sua filha, disse que atualmente costuma-se fazer a extensão da denominação, como propõe Evaldo e Othon.

Então, temos algumas singelas questões para os nossos memorialistas Antônio José, Gibran e Miranda:

– Qual a origem do nome e quem inventou a “picanha”?

– Quando a denominação “rua do Meio” passou a ser usada para as ruas Cel. Fausto e Cel. Liberalino?

Wellington de Reinério era um menino pacato como poucos, sem qualquer ambição de liderança. Estava sempre na dele, sem incomodar ninguém. Já Wilton, voluntarioso, briguento como parte da família, estava sempre incomodando seu irmão mais velho. Isso era uma constante nas nossas peladas.

Wellington jogava uma bola redondinha. Era um jogador habilidoso e elegante. Não fazia as habituais trapaças, como puxar o calção do adversário, levantar o pé acima da bola, armando o que se chamava de chapa, não dava uma cotovelada. Era ele e a bola, tentando apenas se esquivar dos adversários. Franzino e com esse espírito angelical, jamais conseguiu despertar interesse dos vários times de futebol em AB. Mas, nas peladas era sempre um dos primeiros a ser escolhido por quem ganhava o par-ou-ímpar.

Wilton tinha muitas dificuldades no trato com a bola. O que a natureza lhe deu de inteligência e habilidade com um maçarico, lhe tirou dos pés. De vez em quando ele obrigava Wellington a participar do par-ou-ímpar para ser um dos selecionadores, algo que violava a natureza do irmão. A estratégia tinha objetivo: ser um dos primeiros escolhidos. E ai de Wellington se não o obedecesse. Ameaçava dizer à mãe que Wellington estava jogando na rua. Sim, algumas mães não gostavam que seus filhos sujassem pés e canelas com a areia salitrosa que tomava conta da rua no embalo daqueles ventos areia-branquenses. Nunca entendi porque Wellington se preocupava tanto em respeitar as ordens da mãe, enquanto Wilton não estava nem aí! Se fosse hoje, ele ficaria cantando: Tô nem aí, tô nem aí . . .

Quem teve oportunidade de jogar bola na rua, naquela época, vai lembrar que a areia misturava-se com o suor e grudava no pé e em parte da canela. Parecia uma meia. Pois bem, para não deixar essa prova de que estivera jogando, Wellington passava o tempo todo limpando os pés. Era muito engraçado ver aquela cena. Ele dava uma corridinha e se encurvava. Passava as duas mãos, da ponta dos pés até o meio da canela. Primeiro no pé esquerdo, depois no direito, ou seria o contrário? Mas o danado jogava bem, e tinha tempo de fazer isso e executar as tarefas que lhe cabiam: dominar a bola, passar para um companheiro e fazer gol.

Já está evidente que Wilton não tinha grande intimidade com a redondinha, qualquer que fosse, de pano, de borracha ou de couro número 1 (a pequena) ou número 5 (a profissional). Mas, tinha um senso de humor discreto, sutil e refinado. Uma vez estávamos na sua pequena oficina, no fundo da casa. Em vão, ele procurava o martelo escondido em algum lugar daquela monumental desordem. De repente, estalando os dedos começou a chamar, como se a ferramenta fosse um animal doméstico:

– martelinho, martelinho, onde você se escondeu? Martelinho, martelinho, venha cá!

Com esse jeito engraçado ele fazia as ameaças a Wellington durante as peladas. Ninguém se animava em passar-lhe a bola. A chance de uma sequência bem sucedida era quase nula. Um dia, irritado com isso, aproveitou o momento em que Wellington estava de posse da bola, correu em sua direção com uma havaiana (chamávamos sandália japonesa) na mão, pronta para ser atirada, e gritou:

– Passe a bola, passe a bola senão jogo a sandália!

Não lembro quem testemunhou as cenas acima. Acho que a última também foi presenciada por Clécio. Para concluir, vou relatar uma história envolvendo Flávio de Pitita.

Era costume naquela época grupos de meninos desafiarem outros para uma partida de futebol no meio da rua. Os locais preferenciais eram a rua do meio (Cel. Fausto),

a dr. Almino (atual Dep. Manoel Avelino)

e a rua das almas, bem na frente do cemitério (olhaí, Evaldo, falei no cemitério!). Claro, isso antes do calçamento dessas ruas. Tenho várias historinhas com relação a isso. Vou relatar uma delas. Wilton, Clécio e não sei quem mais, desafiaram Wellington, Flávio de Pitita e este relator. Cada grupo deveria formar um time de 6 jogadores (um no gol e 5 na linha). Decidimos fazer um treino de 3 contra 3, no campo da saudade, logo depois do almoço! Só a energia de adolescentes para suportar tamanha loucura. O campo da saudade era o campo de futebol de AB, onde jogavam 11 contra 11. Agora, 3 contra 3 às 2 horas da tarde é uma insanidade.

Clécio, Wilton e o terceiro que não lembro, não eram páreo para Wellington, Flávio e eu. Sabíamos que no jogo prá valer era páreo corrido, como se diz no turfe quando um cavalo é claramente superior aos outros. Com essa certeza em mente e o sol na moleira, Wellington e eu decidimos amolecer. Toca a bola prá lá e cá, sem grande esforço, displicentemente, deixando os intrépidos adversários tomá-la, não fazendo qualquer esforço para recuperá-la. Flávio espumava de raiva. Wilton e Clécio se divertiam com os gols que faziam, um atrás do outro. E o pobre do Flávio correndo sozinho atrás dos 3 adversários, nos fulminando com seu olhar raivoso. No finalzinho, faltou-lhe o ar e ele ficou quase em estado de choque, parecia que ia ter uma convulsão, enquanto corria atrás de  Wilton, que se aproximava celeremente do nosso gol. Wellington e eu, assustados com a cena, ficamos parados na zona intermediária do campo. Wilton fez o gol e gritou, todo sorridente e provocativo:

– Se no treino foi assim, imagina no dia do jogo!

Flávio, com a pouca energia que lhe restava, correu em sua direção e agarrou-lhe o pescoço. Foi uma luta para evitar o enforcamento!

Em algum lugar deste blog, acho que na página sobre o mesmo, convidei os jovens residentes em Areia Branca a participarem do blog, sobretudo depositando fotografias atuais para termos uma ideia da evolução geográfica da nossa salinésia. Pois não é que este menino de 72 anos, com memória de elefante, batizado Antônio Fernando Miranda e conhecido entre os íntimos como Toinho, tal qual seu xará, recentemente falecido Antônio do Vale, fez um registro iconográfico maravilhoso!

Os cinemas

cineCelFausto_ontem_400px

cineCelFausto_2009_400px

cineSRaimundo_ontem_400px

cineSRaimundo_2009_400px

cinemiramar_ontem_400px

cinemiramar_209_400px

Referências aos cinemas de Areia Branca:

Castelinho de Celso Dantas

castelinho_ontem_400px

 

Veja uma referência ao Castelinho de Celso Dantas aqui: Dodora, a neta de D. Zefa.

Antes do calçamento da Rua do Meio (atual Rua Cel. Fausto), jogávamos gol-a-gol na frente do Castelinho. Uma das traves era o tronco do pé de ficus, que aparece no canto direito da foto. Costumava-se jogar em duplas. Geralmente um que chutava forte e outro que agarrava bem.

Os meninos menores, a minha geração, costumava jogar futebol mirim na varanda do Castelinho, quatro contra quatro. Para quem não sabe, futebol mirim joga-se sem goleiro, com traves pequenas, menos de 1 metro de largura e aproximadamente 70 cm de altura.

Maternidade Sarah Kubitschek

maternidade_ontem_400px

maternidade_2009_400pxProcissão Marítima

procissao_mar_ontem_400pxprocissao_mar_2009_400px

Andor de N.S. dos Navegantes

andor_NSNaveg_ontem_400px

andor_NSNaveg_2009_400px

Extração e transporte de sal

salinas_ontem_400pxsalinas_2009_400px

barcacas_ontem_400pxbarcacas_2009_400px

Capitania dos Portos

capitania_ontem_400pxcapitania_2009_400px

Igreja Matriz

igreja_sec19_400pxigreja_2009_400px

Farol da praia de Upanema

farol_ontem_400px

farol_2009_400px

Mercado público

mercado_ontem_400px

Essa é uma fotografia posterior 1970. Antes, esse espaço à direita era ocupado por barracas que vendiam diversos tipos de mantimentos, frutas, verduras e legumes.

mercado_2009_400px

Até a quarta coluna verde, da direita para a esquerda, era a ligação das duas partes da rua Silva Jardim (atual Francisco Ferreira Souto). A parte que ficava ao lado da Av. Rio Branco e a parte que ficava ao lado da rua João Felix.

Serviço Social da Indústria (SESI)

sesi_ontem_400px

sesi_2009_400px

Telefônica

telefone_ontem_400pxtelefone_2009_400px

Tirol, um local de grande importância econômica e social até os anos 1970

tirol_ontem_400px

tirol_2009_400px


janeiro 2018
S T Q Q S S D
« dez    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Para receber as novidades do blog