You are currently browsing the tag archive for the ‘tirol’ tag.

Esse trecho da Rua da Frente é uma área pouco visitada pelas pessoas de outras ruas. Trata-se, na verdade, de uma região diferente, mais calma, com uma igreja no início e o Tirol e a Praça do Pôr do Sol fechando o quadrilátero na outra ponta.

A parte de cima da Rua da Frente sempre perdeu para a parte de baixo quando o quesito é movimento, agitação. Em compensação, sempre levou muita vantagem no item charme e elegância. Essa dualidade me lembra aquele poema fescenino de autoria de Dr. Milton Ribeiro, A Bufa, que também se encerra na tentativa de esclarecer uma dualidade: Ganhando em cheiro o que em som perdeu, quem no cinema ou na igreja uma bufinha já não deu?

Saindo da igreja, confesso desconhecer quem é o morador desta primeira casa. Na segunda casa mora dona Cota, mãe de Manoel Avelino, que já foi prefeito. Na sequência, a bodega de Antônio Calazans, seguida de uma casa bonita, embora pequena. Aqui fica uma agência do Loyd Brasileiro. Nessa esquina funciona uma pensão, na casa onde morava o tenente Durval, que foi delegado da polícia. Era o terror dos foras da lei. No final da Rua da Frente, como que compondo o que em Brasília seria uma ponta de picolé, duas empresas de peso: a Mossoró Comercial e F. Souto.

Essas casas que ficam por trás da Praça do Pôr do Sol são o que há de charmoso e de ar pastoril em Areia Branca. Ficam aqui, protegidas por essas árvores, como que paradas no tempo, com aura de passado. É um dos lugares mais bonitos da nossa cidade.

Praça do Pôr do Sol hoje

Aqui na frente, duas estruturas que realmente tornam este lugar elegante, com ar bucólico e cheiro de saudade: o Tirol e a Praça do Pôr do Sol, aquela defronte a esta, as duas se misturando em um único encantamento. Parece até que uma não existiria sem a outra. Este local exerce um verdadeiro fascínio em mim. Às vezes penso que venho pouco aqui para não gastar minha dose de fascínio.

Fico por aqui. Vou sentar neste banco e assistir ao desembarque dos passageiros que estão chegando em uma lancha que acaba de atracar no Tirol. Esse som que vem dessa casinha branca tem tudo a ver com este momento. É a trilha sonora do filme Assim Caminha a Humanidade, recém lançado. O cais à frente, com o Tirol, é o cais da espera, que acolhe e dá abrigo. Vou ficar mais tempo aqui.

Foi uma das minhas últimas satisfações ao visitar aquele local.

EvaldOOliveira

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN

 

 

Anúncios

Há alguns anos havia aqui um equipamento comunitário belíssimo chamado Tirol, que ruiu sob o furacão do abandono e do desprezo. A cidade pulsava no Tirol, com os passageiros chegando de Grossos ou retornando depois de um dia de negócios em Areia Branca. No portar-se e no vestir, a marca de uma elegância também varrida pelo tempo.

Praça do Pôr do Sol e Tirol

Há alguns anos havia aqui um equipamento comunitário maravilhoso, utilizado pelas pessoas que saíam ou chegavam ao Tirol. Fosse de passagem obrigatória por este local ou curtindo seus momentos de lazer, boa parte dos areiabranquenses aqui parava para uma contemplação do movimento dos passageiros no Tirol, ao tempo em que aqui ficava, parado, a contemplar o pôr do sol pros lados do Tibau, um banco a instiga-lo. Era o momento da troca de plantão, em que o sol entregava à lua as chaves e os códigos do arsenal celeste. E lentamente uma luz com aura de um Olimpo salitrado substituía o amarelo hélio pelo prateado luna, justo aquele gris emblemático meio encantamento meio luz. Era a Praça do Pôr do Sol.Quadro de Antonio Tavernard

Há alguns anos havia aqui umas casas lindas, com cheiro de jasmim e com um ar bucólico, que despertavam aquela inveja benfazeja nas pessoas. Aqui, alguns areiabranquenses privilegiados cuidavam com orgulho de suas moradias. Quantas vezes o menino eu ficava encantado com aquelas casinhas coladas umas nas outras. À noite, cadeiras nas calçadas e, à frente, uma visão maravilhosa das sombras quase assombração do manguezal que ainda hoje tenta se ocultar do outro lado do rio. Virando a cabeça um pouco para o lado, a quase bênção de contemplar uma embarcação fugindo na noite para se aninhar próximo à Rampa, de frente para a igreja.

Há alguns anos havia nesta esquina uma pensão que recebia caminhantes de outras latitudes, navegantes de outras águas igualmente salobras. Tenho uma quase certeza de que, antes da pensão, aqui morou o Tenente Durval, policial sério e competente que valorizou com brio as cores da sua farda. O Tenente Durval era aquele delegado que dava voz de prisão ao indivíduo e determinava que ele o esperasse na delegacia. E todos ficavam à sua espera.

Hoje, destruídos o Tirol e a Praça do Pôr do Sol – e descaracterizada a antiga pensão –, resta o vazio com o gosto amargo da desesperança que a todos incomoda e assusta. É um esqueleto de cimento que acolhe todo tipo de elementos indesejáveis, da sujeira a viciados em drogas.

Puro desencanto onde em outros dias reinavam a alegria e o toque poético.

EvaldOOliveira

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN.

Uma praça em frente ao Tirol, que ficava no Cais da Rua da Frente. Qual a força que pode ter uma praça em frente a um rio?

Voltemos ao ponto zero. Um banco. Uma praça – a Praça do Pôr do Sol. À frente, o Tirol. Emoldurando os lados e o fundo da paisagem, o belo rio Ivipanim. No nível do horizonte, um exuberante manguezal. Se houvesse um encontro/conluio com o inesperado, poderiam ser vistas três barcaças juntas, partindo para mais um dia de trabalho estafante.

Ainda sentado no banco, esticando o olhar para a direita, vislumbramos sinais do encontro do rio com o mar, que se sabe hoje formatado em uma tênue linha na superfície das águas. Neste ponto, basta virar à esquerda e temos a visão de Tibau, com suas areias multicoloridas. Forçando o olhar, agora à direita, a visão do Pontal.

No hoje que nos impacta, não há praça nem Tirol. Sumiram no irresponsável vento da insensatez. Em seus lugares, apenas o vazio. O mesmo vazio que sentimos ao perceber a ausência daquelas lanterninhas coloridas que enfeitavam a frente das casas nos são-joões de nossa infância, com o pipocar de peidos-de-velha e o brilho das estrelinhas. As coisas mais bonitas sumiram sem deixar rastros, como aconteceu com os pastoris de verdade. E por falar em sumiço, será que, em Areia Branca, ainda se encontram tatuís e taiobas?

Com esse mote na cabeça, resolvi caminhar pelas ruas do passado. Percebi que seus nomes foram trocados, e em boa parte por outros que pouco ou nada dizem, perdendo a cidade, a história e seu simbolismo.

Confuso, e como de medida de autopreservação, blindei minha cabeça com uma criptografia oriunda do mundo nano, utilizando técnicas da ciência noética. Isso me garante que nenhum hacker pode acessar meus sonhos. Por conta deles ainda estou vivo.

Uma praça, o Tirol, o rio, Tibau, o Pontal. E o mar.

EvaldOOliveira

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN

 

 

Em nossas pescarias no Tirol, pelos idos da década de 1950, frequentemente fisgávamos moreias de cor escura, que logo eram soltas e retornavam ao rio. Por seu aspecto de serpente do mar, e sabedores do poder de suas mordidas, nós, pescadores de faz-de-conta, não nos dispúnhamos a levar para casa aquele peixe-serpente de má fama.

Em agosto deste ano, no final do nosso passeio de barco pelo rio Ivipanim, quando nos preparávamos para o desembarque na Rampa, uma surpresa: sorrateiramente, junto à popa, uma linda moreia de cor bege com manchas escuras exibia-se solenemente, parecendo nos recepcionar na véspera da procissão marítima de Nossa Senhora dos Navegantes.

Logo um filme passou em minha cabeça, rememorando as noitadas de pesca no Tirol, acontecimento que – de fato – servia de justificativa para encontros de adolescentes tipo pode crer, como nós. Hoje, logo pensaríamos em drogas.

Na aproximação para o embarque, as pessoas gritaram: É uma moreia venenosa! É uma cobra do rio. E insinuavam tentativas de agressão ao animalzinho, com o objetivo de matá-lo. Conseguimos que os ânimos se acalmassem e com a ajuda do canoeiro a pobre moreia retornou tranquilo para o fundo do rio.

Hoje, procurando no Google, encontrei um espécime de moreia idêntico ao que nos recepcionara em Areia Branca. E fiquei sabendo que as moreias caçam com base em um olfato apurado, e que o seu veneno provém de toxinas contidas em um muco que existe sobre sua pele. A mordida, apesar de dolorosa, não contém veneno.

dsc04405Moreia de Areia Branca – Tirol
moreiaMoreia do Google

Iguaizinhas, não?

EvaldOOliveira

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN

 

 

Esse texto é uma requentada de outro com mesmo título, escrito em 2004. Não lembro se, e onde o publiquei naquele ano, mas em 2008 ele foi publicado aqui (https://areiabranca.wordpress.com/2008/05/02/nos-de-macatuba-eles-de-amarcord-2/). A presente versão foi publicada na terceira edição de O PIRATA – Jornal Cultural da Ilha da Maritacaca, lançado no dia 11 de agosto de 2012 no Centro de Exposições e Eventos de Mossoró – Expocenter, durante a 8ª Feira do Livro de Mossoró.

Areia Branca é como qualquer cidadezinha de qualquer parte do mundo. Com seus personagens típicos em quase tudo similares. Basta repassar a literatura e o cinema para verificarmos conexões comportamentais entre sociedades sem qualquer conexão geográfica. Minha referência neste assunto é o filme Amarcord (http://pt.wikipedia.org/wiki/Amarcord). A Amarcord de Fellini está para Macatuba, a cidade imaginária de Tarcísio Gurgel (irmão de Deífilo), assim como Rimini está para Areia Branca. Sempre que encontro Tarcísio Gurgel esqueço de lhe perguntar se Macatuba é Mossoró ou uma mistura de Mossoró com Areia Branca, e quanto de realidade existe nos seus personagens. Embora satisfaça minha curiosidade, esse tipo de informação tem pouca importância para o que escreverei a seguir. Obra de ficção ou relato real sempre toma as cores que o nosso cérebro determina. Tem a obra do autor e a obra do leitor. As duas podem ser, e usualmente são muito diferentes.

É por isso que Amarcord e Macatuba se me apresentam como Areia Branca, pelo menos no universo de alguns de seus marcantes personagens. Aqui, desse lado de cá do equador não temos as estações climáticas tão demarcadas como na terra de Fellini, de modo que jamais teríamos em Macatuba a cena inicial de Amarcord, onde se festeja o fim do inverno e o início da primavera, mas a passagem do transatlântico naquela parte do mar adriático não poderia ser substituída pela chegada do hidroavião no rio Ivipanim? A propósito, as filmagens marítimas exploradas por Fellini são emocionantes. Um dos ângulos do transatlântico é de uma beleza extasiante. Deixaria Toinho do Foto de queixo caído. Alguns ângulos da água me fizeram retroceder aos banhos na maré. A tonalidade e a leve ondulação da água são idênticas!

Agora, o entorno social tem todos os ingredientes comuns às duas cidades. Em Areia Branca também não tínhamos uma diva do amor, que habitava os sonhos de homens de todas as idades, como a Gradisca de Amarcord? E também não tínhamos uma gostosa como Volpina, que todo possuidor de testosterona desejava? E os bobos, sujeitos às não raras perversas gozações dos malvados?

Não tínhamos a presença do fascismo de Mussolini, como os habitantes de Amarcord, mas, pelo menos a geração dos anos 1940 pode testemunhar eventos dolorosos e mostrar cicatrizes da ditadura militar implantada em 1964. Nossas referências nos bancos escolares não tinham ligação com a nossa história sócio-política, mas tínhamos o famoso e festejado rigor disciplinar da professora Geralda Cruz, para citar apenas um ícone da nossa educação.

Amarcord tem um farol, como na praia de Upanema. Em Amarcord os meninos sacanas incomodam o ceguinho que toca acordeon e roubam-lhe a bengala. Em Areia Branca a meninada traquina infernizava Casca-de-ovo, um doidinho manso que adorava acompanhar procissão. Consta que certa vez entoava-se na procissão “o meu coração é só de Jesus, a minha alegria . . .”. Nesse exato momento alguém gritou “Casca-de-ovo!”. A resposta irada saiu na hora, na sequência e no embalo da música “. . .é o cu da mãe”. Em Amarcord, Bischaine, o vendedor bobo-da-corte, mente feito nosso Chico Pavão.

Em Amarcord os adolescentes masturbam-se em grupo, no interior de uma garagem. Em Areia Branca,… ah, se o Campo da Saudade falasse! Era este o nome do campo de futebol da cidade até o início dos anos setenta. Tinha esse nome porque era ao lado do cemitério. Ali, nos anos 1960, havia campeonatos de esperma à distância. Depois, todo mundo ia alegremente jogar futebol, ainda com testosterona à flor da pele.

Tem uma cena em Amarcord em que vários rapazes simulam danças com suas desejadas. Isso a gente não fazia em Areia Branca, pelo menos não na presença de outros, mas, devo confessar que na solidão do meu quarto dançava embalado pelos braços imaginários da tão sonhada amada, ao som de um desafinadamente balbuciado besame mucho.

Em Amarcord há uma corrida automobilística noturna, uma epopéia no imaginário Felliniano, tal qual poderíamos fazer com a aventura de Toinho de Eneas pedalando, sem parar, 72 horas na praça do Tirol, apenas ingerindo líquidos. Se bem documentado, só aquilo daria um filme. Não tenho registros na memória para auxiliar um eventual Fellini areia-branquense. Lembro apenas da diversão de todos quando nosso resistente ciclista queria, no dizer de antigamente, verter água. Jogava um balde de água verdadeira sobre si para ninguém ver a urina escorrendo por sua perna.

Ao final da corrida, o ganhador é premiado com a presença de Gradisca, que senta ao seu lado para uma volta triunfal. Isso alimenta a imaginação de um gordinho, sempre rejeitado pela bela ninfeta Alpina. No seu sonho ele se vê ganhador da corrida. Pára o carro e grita por Alpina, sentada numa sacada ao lado de um belo jovem. Quando ela responde ao chamado com um meigo sorriso, o gordinho, herói no seu próprio sonho, dá-lhe uma enérgica banana. Vê se isso não é quase a mais coisa de uma história que me contaram como verdadeira, acontecida no Ivipanim Clube dos anos 60? Um rapaz vinha sistematicamente sendo rejeitado por uma bela menina. Mas, tanto insistiu que finalmente ela cedeu e foi dançar com ele. Bem no meio do salão, ele se afastou e disse, em alto e bom som, você peidou!

Amarcord inicia na primavera de um ano e termina na do ano seguinte. Portanto, antes do final seus habitantes passam pelos rigores do inverno. Para as crianças aquilo é uma festa. Quem antes da puberdade não gostaria de jogar bolas de neve nos outros? Um Fellini areiabranquense provavelmente registrasse nossas brincadeiras depois de uma boa chuva. As ruas de terra batida pela água eram propícias para jogos de futebol, de bandeirinha e sobretudo de fura-chão. Era uma festa!

Para além das minhas conexões afetivas, aprecio Amarcord porque é um filme maravilhoso, um dos melhores de Federico Fellini. Assim como também aprecio “Os de Macatuba”, livro de contos de Tarcísio Gurgel, publicado em primeira edição em 1974, e em segunda edição em 1986, pela Clima, porque é uma obra-prima, no sentido objetivo e temporal e no sentido figurado que se dá a uma obra de valor.

Amarcord é uma corruptela da expressão “io me recordo” (eu me lembro), usada na região onde nasceu Fellini. De fato, Amarcord não é o nome do vilarejo italiano onde o filme se passa, mas todo mundo passou a associar o título ao nome do vilarejo fictício e, por extensão, a Rimini, a cidade natal do cineasta. Então, de vez em quando alguém diz: Amarcord é a Rimini de Fellini. O filme se passa no período exato de um ano, entre a primavera de 1940 e a de 1941, início da Segunda Guerra Mundial. Portanto, no período retratado Fellini já tinha 20 anos, não havendo assim correlação temporal entre o relato e sua vida pessoal. Além do mais, ele nega o caráter autobiográfico da obra, mas reconhece semelhanças com a sua própria infância em Rimini. Pronto, não precisei de mais nada para dizer que nas estripulias infantis, a Rimini de Fellini é a nossa Areia Branca. Sem conexão geográfica, nem temporal, apenas ligados por aquilo que Jung costumava definir como inconsciente coletivo e por pequenas coincidências em equipamentos públicos. Aí está o tempero necessário e suficiente para dar o ponto certo na nossa imaginação.

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Para receber as novidades do blog